Janela da alma

Nessa janela que abres para mim,
Vejo a alma que trespassa,
Vejo a emoção que corrói.

Não sei se pense,
Não sei se sinta,
Sei apenas que levito,
Levito quando entro e vislumbro,
Quando me aqueço em ti.

Sinto-te e deixo-me percorrer…
Nessa alma que és tu,
Nessa alma escondida,
Na janela que esconde,
O que em nós habita,
E que mostra o que somos.

Autoria do poema: Renata Pereira Correia
Foto: Alba Luna

Posted on

undefined

undefined – 0 Comments