Catadupa de ternuras,
Sedenta em vontades,
Pureza que faz levitar,
Flui com significados.

Nesse oceano de prazer,
Prazer que faz sonhar.
Bate fervorosamente,
Corre sem parar,
Silencia esse manto verde,
Verde puro e cristalino.

Tão verde e tão puro,
Como olhos verde água,
Que resplandecem,
Que salpicam emoções,
Que fantasiam sentidos.

Nesse olhar esta cascata,
Permanecerá,
Para sempre,
Como nascente que corre,´
Que não pára jamais.

Poema de autoria de: Renata Pereira Correia
Catadupa de ternuras,
Sedenta em vontades,
Pureza que faz levitar,
Flui com significados.

Nesse oceano de prazer,
Prazer que faz sonhar.
Bate fervorosamente,
Corre sem parar,
Silencia esse manto verde,
Verde puro e cristalino.

Tão verde e tão puro,
Como olhos verde água,
Que resplandecem,
Que salpicam emoções,
Que fantasiam sentidos.

Nesse olhar esta cascata,
Permanecerá,
Para sempre,
Como nascente que corre,´
Que não pára jamais.

Poema de autoria de: Renata Pereira Correia
Foto: Nuno de Sous

aFoto: Nuno de Sousa