Vaso criado por Émile Gallé, considerado um dos pais do movimento artístico conhecido como Art Nouveau. Gallé nasceu em Nancy, em 1846. Na juventude estudou botânica, filosofia e desenho. Mais tarde, em Meisenthal, também na Lorena, aprendeu a arte de fazer vidros. No início usava vidro transparente decorado com esmalte, mas logo criou um estilo original, utilizando vidro grosso, opaco, cinzelado ou gravado com motivos botânicos. Recebeu um prêmio na Exposição Internacional de Paris, de 1876, e daí em diante sua carreira foi um sucesso.

Sempre experimentando técnicas novas, revitalizou a indústria do vidro e criou uma oficina para produzir objetos de arte, seus e de outros artistas. O aspecto menos conhecido de sua vida é o engajamento social. Humanista convicto, criou escolas noturnas para seus operários, o que deu origem à Universidade Popular de Nancy. Envolveu-se na defesa de Alfred Dreyfus, condenou publicamente o genocídio na Armênia, defendeu judeus romenos e se pronunciou em defesa dos católicos irlandeses contra a Inglaterra.

O vaso “Os Pinheiros” é considerado uma de suas obras mais perfeitas e curiosas; não é representativo de seu período mais criativo, mas de suas últimas pesquisas. Gallé morreu muito moço, aos 55 anos, em 1904. “Os Pinheiros” é de 1903. Foi comprado para o museu onde está graças aos esforços conjuntos da Fundação Clara Peckman, da Fundação Houghton, e de uma dotação especial do governo americano, tal seu alto valor